Estratégias para dizer não e ser feliz!

Quantas vezes deu por si a dizer que sim quando na realidade queria dizer que não?

Quantas vezes deu por si a dizer que não e a sentir-se mal com isso?

Aprender a dizer “não” de forma agradável para si e para os outros é uma daquelas pequenas mudanças que fazem toda a diferença na nossa vida. Incrementam a gestão de tempo, auxiliam ao bem-estar pessoal e acima de tudo tem impacto positivo nas nossas relações pessoais e profissionais.

Algumas pessoas são dotadas de um coração tão grande e generoso que qualquer favor que lhes seja pedido recebe sempre em troca, um amável “sim”!

Mesmo quando isso lhes pode complicar a vida, a necessidade de ser aceite é sempre mais forte do que a capacidade de recusa do pedido. Conhece algumas destas pessoas?

Lembre-se: Somos limitados no tempo e na energia!

Querer agradar aos outros muitas das vezes é o principal motor de nos sentirmos culpados, impotentes, stressados e o que parece um fator de prazer (agradar aos outros); torna-se um dos principais motivos de desequilíbrio nas nossas vidas!

“Aprender a dizer “não” é de maior utilidade que aprender a ler latim!” (Charles H. Spurgeon)

Mas como dizer “não” sem ferir os sentimentos dos outros?

1- Mantenha a empatia com o interlocutor– é um dos principais ingredientes para que a “recusa” corra bem. Quando lhe pedirem algo ao qual quer responder “não” primeiro trate de manter a conexão com expressões como: “gostava muito de…”, “entendo que seja algo importante para ti e…”, “compreendo que precises de ajuda e…” (nota, importante usar o e ao invés do mas)

2- Partilhe os seus motivos – apesar da ausência de justificação não ser gravosa, sempre que conseguir entregar um motivo válido para a sua indisponibilidade, ótimo.

3- Perguntas Solução – terminar a interação com uma ou duas boas perguntas em formato orientar para soluções é de grande poder. Primeiro porque vai responsabiliza o emissor e acima de tudo porque nos mostramos disponíveis para ajudar a procurar soluções que o ajudem a ultrapassar o desafio.

Por exemplo: Imagine que um amigo lhe pede dinheiro emprestado. Uma boa resposta seria (contemplando que não tem esse dinheiro disponível, ou que o tem mas não quer empresta-lo):

“Gostava muito de te poder emprestar e neste momento tenho algumas prioridades financeiras. Para que precisas do dinheiro? Já pensas-te em outras alternativas?”

Esta pode ser a diferença entre dizer “não” e ter reatividade (partilhada ou não) ou evitar o “não” e focar na solução e receber um “obrigada”!

Vamos treinar? (ai de si que diga que “não” ☺)

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *